Receitas, dicas culinárias, restaurantes e viagens. Aprecie sem moderação!

Bélgica, Viagem

Museu Real de Belas Artes da Bélgica

Dicas para visitar o Museu Real de Belas Artes de Bruxelas, um dos mais importantes da Bélgica!

Há tempos que estou querendo compartilhar algumas dicas de Bruxelas, entre elas a sugestão de visita ao principal museu da cidade. Estou falando do(s) Museu Real de Belas Artes, que conta com uma coleção com mais de tem mais de 2.000 pinturas, desenhos e esculturas que datam do início do século 15 até os dias atuais.

Mas é interessante destacar aqui que na área onde ele está localizado concentram-se vários museus. O lugar na verdade (Les Musées Royaux des Beaux-Arts de Belgique em francês) é uma associação de seis centros de arte, considerados os melhores da Bélgica.

Localizado no coração de Bruxelas, o Museu de Arte Antiga e o Museu de Arte Moderna são os museus mais conhecidos e visitados do complexo. O Museu Constantin Meunier e o Museu Antoine Wiertz são muito menores e estão situados em outra parte da cidade. Por fim, o Museu Magritte (sobre esse, farei outro post) e o Museu Fin-de-Siècle ficam ao lado do edifício principal e são muito mais recentes.

Museu de Arte Antiga

Inaugurado em 1799, o Museu de Arte Antiga compõe a maior parte do Museu Real de Belas Artes da Bélgica (na verdade, o nome é no plural, mas simplifiquei aqui para ficar menos confuso). Apresenta obras de arte dos séculos 15 a 18 e é particularmente famoso graças à sua vasta e notável coleção de pinturas flamengas, bem como centenas de obras de arte de antigos mestres como Van Dyck ou Rubens. Vale destacar sua localização atual; um notável edifício neoclássico do final do século 19 do arquiteto belga Alphonse Balat (responsável também pelas Estufas Reais de Laeken).

Museu de Arte Moderna

O Museu de Arte Moderna apresenta obras de arte desde o século 19 até os dias atuais. Sua coleção de belas artes é muito variada e algumas das melhores pinturas são de artistas belgas surrealistas. O layout do museu é bastante curioso com oito de seus andares (“meios andares”) no subsolo. Embora seja um museu de “Arte Moderna”, as fotos, esculturas e outras coisas deste museu não são tão abstratas como é o caso de muitos outros museus do tipo.

Um museu para explorar sem pressa

Vale a pena explorar esse complexo de museus se você tiver tempo suficiente ou for um fã de arte. Caso contrário, se você estiver em Bruxelas apenas por um fim de semana, sugiro focar na descoberta das ruas do centro histórico, a Grand Place, igrejas e outros museus menores. Já falei de alguns aqui (e falarei de outros também, e se quiser acompanhar, só seguir a tag: Bruxelas.

A visita demora pelo menos duas horas, e o valor do ingresso depende de várias variantes (se quer visitar outros museus pode comprar ingresso combinado, se é estudante, senior…). Eu gostei particularmente da parte dedicada ao estilo arquitetônico e decorativo Art Nouveau e fiquei encantada com a quantidade de móveis disponível em exibição.

— — —

Highligts: o que você não pode deixar de ver durante a visita

  • A Queda dos Anjos Rebeldes, de Pieter Bruegel the Elder
O destaque da coleção do Old Masters Museum é certamente The Fall of the Rebel Angels, de Pieter Bruegel, o Velho. A pintura foi anteriormente atribuída a Hieronymus Bosch, até que a assinatura de Bruegel foi encontrada no canto inferior esquerdo, escondida atrás da moldura. Esta pintura dramática é dividida em duas seções tonais e horizontais, representando o céu e o inferno, e retrata o primeiro confronto entre o Bem e o Mal bíblico. A Queda dos Anjos Rebeldes retrata Lúcifer junto com outros anjos caídos que foram banidos do céu depois de se rebelarem contra Deus. Enquanto admira esta verdadeira obra-prima, certifique-se de prestar atenção especial à variedade de criaturas infernais e ímpias (e, de fato, semelhantes a Bosch) – prometo que cada uma delas vale o hype.
  • O censo em Belém, de Pieter Bruegel the Elder
Outro destaque de Pieter Bruegel, o Velho – desta vez com uma representação perfeita do estilo particular do artista. O Censo em Belém é um milhão de pinturas em uma, e um verdadeiro prazer para um olho afiado. Fato interessante: é uma das primeiras pinturas da arte ocidental focada em uma paisagem nevada.
  • Pietà, de Rogier van der Weyden
Esta Pietá incrivelmente emocional – uma representação da Virgem Maria segurando o corpo morto de seu filho, Jesus Cristo; foi pintado pelo mestre flamengo Rogier van der Weyden por volta de 1441. Existem inúmeras imitações em vários museus do mundo (como The National Gallery ou Prado), mas apenas a versão Royal Museums of Fine Arts é sugerida para ser apreciada como obra docaracterística do estilo do artista. A pose específica do corpo alongado de Cristo; um hack simples para reconhecer obras vindas da oficina de van der Weyden.
  • A morte de Marat, de Jacques-Louis David
O primeiro “imperdível” da coleção de Arte Moderna e Contemporânea dos Museus Reais de Belas Artes da Bélgica; A Morte de Marat é uma pintura de 1793 de Jacques-Louis David, um dos principais pintores do Neoclassicismo. A pintura mostra Jean-Paul Marat, um dos líderes dos montanheses; a facção radical na política francesa, morto em seu banho depois de ser assassinado por Charlotte Corday. Corday foi uma figura da Revolução Francesa, que acreditava que Marat estava ameaçando a República e incitando a violência em todo o país. Como ela disse: “Matei um homem para salvar 100.000”. Um retrato horrível, mas bonito, de uma história de assassinato político.
  • O casamento de Psiqué, de Edward Burne-Jones
Esta pintura do artista pré-rafaelita Edward Burne-Jones mostra uma parte selecionada da história mitológica de Cupido e Psique. Aqui, Psique – a deusa grega da alma está sendo levada ao seu triste destino de se casar com um monstro feio. A penumbra das cores e uma procissão de casamento bem funesta sugere que não é uma história divertida.
  • Head of a Young Peasant in a Peaked Cap, de Vincent van Gogh
Cabeça de um jovem camponês de chapéu pontiagudo pertence ao grupo de obras que Vincent van Gogh preparou enquanto trabalhava em Brabante, que era na época uma província da Bélgica. Esboços e pinturas a óleo como este eram a maneira de Van Gogh se preparar para composições de maior escala, como “Os Comedores de Batata”. O artista procurou especificamente o tipo de modelo “camponês”, que tivesse apar6encia cansada.
  • The Green de Christ, Paul Gauguin
O Cristo Verde de Paul Gauguin é considerado uma das principais obras do Simbolismo. Assim como “O Cristo Amarelo”, que foi pintado por Gauguin durante seu tempo em Pont-Aven, na Bretanha. Retrata uma mulher bretã sentada aos pés de uma escultura do calvário, possivelmente rezando ou apenas descansando alguns minutos. Este tipo de calvário de pedra é um tipo distinto de local de devoção, típico da zona rural bretã, e a estátua retratada é realmente identificável como um calvário de pedra coberto de musgo em Nizon, perto de Pont-Aven.
  • The Bather, de Leon Spilliaert
Aqui está um destaque do Museu Fin-de-Siècle, parte dos Museus Reais de Belas Artes da Bélgica dedicados aos anos 1900. Durante esse tempo, Bruxelas foi um dos principais lugares onde a Art Nouveau floresceu. The Bather, de Leon Spilliaert, retrata uma mulher sentada em uma escada da rua, olhando para as ondas em forma de arabescos de água à sua frente.

— — —

Informações práticas

Endereço: Rue de la Régence, 3 – Bruxelas – 1000 – Bélgica

Site oficial (para consulta de horários e tickets): https://www.fine-arts-museum.be/en

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.