Receitas, dicas culinárias, restaurantes e viagens. Aprecie sem moderação!

Itália, Viagem

Visita ao Vaticano

Infos e dicas para quem está planejando visita ao Vaticano!

O Vaticano é o menor país do mundo e está localizado em uma parte murada do centro de Roma, na Itália. Ocupa um espaço de apenas 44 hectares e tem uma população de pouco mais de 800 pessoas. É a sede oficial da Igreja Católica Romana e um dos mais importantes destinos turísticos do mundo. Difícil encontrar viajantes que circulam pela Europa e que não tenham feito ao menos uma vez na vida, visita ao Vaticano.

Além da Basílica, o lugar concentra museus e importantes obras de arte, que atraem diariamente milhares de turistas. E para quem está programando visita ao Vaticano, seguem as dicas de tudo que pode ser visto neste pequeno país.

Para comprar tickets sem precisar esperar na fila para visitar as atrações pagas do Vaticano, acesse o site oficial.

O que ver e fazer em visita ao Vaticano

  • A Praça de São Pedro

Uma das praças mais imponentes do mundo, por conta de seu formato circular estruturado por colunas em estilo dórico, é um dos principais pontos de peregrinação e visitantes católicos. Mesmo que você seja de outra religião, é interessante fazer essa visita no Vaticano. Dela é possível ter a vista da Cúpula da Basílica de São Pedro e dos palácios episcopais.

Sua configuração é a mesma desde o século 17, quando passou por sua última reforma a mando do Papa Alexandre VII. O objetivo de sua construção era permitir que o maior número de pessoas possível pudesse receber a bênção do Papa ao mesmo tempo. O Obelisco de 25 metros localizado na parte central é do ano 30 a.C. e pertencia a Alexandria. Foi levado para Roma pelo Imperador Calígula no ano de 37.

Para visitar e dicas: escolha o começo da manhã ou a noite se não pretende assistir a missa, pois além de mais vazio, o lugar proporciona imagens incríveis! O acesso a parte externa é grátis.

— — —

  • A Basílica de São Pedro

Um das maiores igrejas do mundo, a Basílica de São Pedro é uma reconstrução e ampliação da antiga Basílica de Constantino (que já existia no local desde o ano de 326 d.C.) feita no século 15.

A fachada da Basílica tem 45 metros de altura e a obra do arquiteto Maderno alterou a concepção original de Miquelangelo, onde a cúpula que também fora projetada por ele, se destacava. Esta reformulação do projeto implicou na ampliação da estrutura e a inserção de colunas incrustadas nas meia luas laterais. Está coroada por enormes estátuas de Jesus Cristo, João Batista e os Apóstolos.

Seu interior tem capacidade para abrigar 60 mil pessoas em seu mais de 15 mil metros quadrados, divididos em três naves. Preserva em seu interior mosaicos de mármore da Basílica que existia ali anteriormente, assim como a famosa Pietá de Michelangelo.

Para visitar: a entrada na Basílica é grátis, mas a visita a alguns elementos como a cúpula em geral é pago. A Basílica abre diariamente das 7h às 19h.

Dicas: para evitar filas para passar pela segurança, tente visitar a Basílica antes das 10h da manhã. O código de vestimenta é bem restrito: não é permitido entrar na Basílica mostrando os ombros, usando short ou minissaia.

— — —

  • Museus do Vaticano

Os Museus do Vaticano reúnem uma das maiores coleções de obras de arte e antiguidades do mundo, além da preciosa Capela Sistina, pintada por Michelangelo. Chama-se “Museus”, no plural, por conta das sucessivas ampliações que foram feitas a visita, que tem um percurso definido cujo ápice é a Capela.

O Museu é dividido em: Pinacoteca do Vaticano (18 salas e mais de 400 obras, entre elas obras de Caravaggio e Leonardo Da Vinci), Coleção de Arte Religiosa Contemporânea, Museu Pio Clementino (dedicado a esculturas gregas e romanas), Museu Gregoriano Egípcio.

Para visitar: link para comprar os ingressos é este.

Dica: para visitas individuais e compras de ingresso na hora (sem pré-reserva), é preciso aguardar em uma fila imensa, que começa a se formar a partir das 6h da manhã. Por isso recomendo muito a compra de ingresso antecipado com horário marcado, para evitar perder muito tempo esperando em filas (meio que inevitáveis em visita ao Vaticano).

— — —

  • Necrópole do Vaticano e túmulo de São Pedro

A Necrópole é uma das experiências mais diferentes a se viver em visita ao Vaticano. Isso porque sob o solo que suporta a Basílica de São Pedro existem dois níveis: as Grutas do Vaticano (onde estão enterrados reis, rainhas e Papas desde o século 5 d.C.) e a Necrópole – que foi descoberta no ano de 1949 em escavações realizadas para encontrar os restos mortais de São Pedro.

Nas escavações foram descobertos 22 mausoléus e sepulturas diversas. Na visita é possível percorrer cada um desses mausoléus, até chegar ao ponto “P”. Este lugar está sob o altar Papal da atual Basílica, é uma pequena praça de 4×8 metros revestida de mosaicos. Lá existe um buraco aberto na parede, no qual foram encontrados restos humanos e um tecido com fios de ouro. Junto a ele, uma inscrição datada no ano 160 que diz “Petro Eni”, em grego: “Pedro está aqui”.

Para visitar: não é permitido entrar com câmera fotográfica. A entrada da Necrópole não tem nada a ver com a dos Museus do Vaticano. São sistemas e repartições diferentes. Só pode ser realizada visita guiada, que pode ser agendada via e-mail  e-mail scavi@fsp.va e custa € 13,00.

Dicas: o número de visitantes diários é limitado a 250 pessoas, então programe-se!

— — —

  • Jardins do Vaticano

Dentro da cidade murada do Vaticano existe um grande jardim, que ocupa 32 hectares da área total do menor país do mundo. Esta grande área é repleta de bosques, esculturas, e flores. Sua primeira formação data do período medieval, no ano de 1279, quando o Papa Nicolau III resolveu amuralhar essa parte da colina e transformar esta parte intramuros (que era ocupada por vinhedos) que decidiu converter em seu jardim particular. No século XVI, o Papa Júlio II realizou um importante trabalho de reforma e paisagismo inspirado no princípio do Renascimento junto.

Para visitar: é preciso fazer reserva via e-mail e-mail visiteguidatesingoli.musei@scv.va. Custa € 32,00.

Dicas: é preciso ter preparo físico. Dura aproximadamente duras horas de caminhada, em um trajeto bem irregular, com vários desníveis.

— — —

  • Capela Sistina

A Capela Sistina, principal ponto de visitação do Vaticano, é uma das maiores obras-primas da humanidade, cujos afrescos do teto foram pintados por Michelangelo e representam cenas da Bíblia, como a criação do homem e o Juízo Final. Ela está localizada dentro do complexo de museus e para chegar até a mesma, é preciso percorrer o roteiro completo da visita, pois ela fica no final desse percurso.

Sua pintura foi encomendada pelo Papa Júlio II a Michelangelo, possui também afrescos de Botticelli e outros importantes artistas italianos. Para mais detalhes sobre os afrescos, acesse aqui.

Para visitar: a visita faz parte do mesmo complexo dos Museus do Vaticano. O acesso à ela é o final do percurso. O ingresso é o mesmo que se paga para acessar os museus do Vaticano.

Dicas: Não é permitido tirar fotos na Capela Sistina e mesmo que você tente nunca serão tão boas quanto as profissionais. Existem seguranças que podem tomar seu celular e câmera caso você insista. Aproveite o privilégio de estar neste lugar com as pinturas mais lindas e impressionantes que você verá na vida e observe. Vai descobrir detalhes bem impressionantes das pinturas seculares.

— — —

  • Cúpula da Basílica de São Pedro

A Cúpula da Basílica de São Pedro é uma das mais importantes obras de engenharia da humanidade e é possível a sua visitação, a partir da entrada para a visita ao Vaticano. Projetada por Michelangelo em 1546, teve sua construção interrompida após a morte do mesmo. Do alto da cúpula, é possível ter uma vista panorâmica de Roma.

O caminho tenso para visitar a cúpula!

Para visitar: percurso completo à pé é de 551 degraus. É possível subir parte do caminho de elevador, mas mesmo assim, restam 320 graus para chegar ao topo. Sem elevador, custa € 5,00. Com elevador € 7,00.

Dicas: Se você tem problemas como claustrofobia, tontura, labirintite, ou apenas não gosta de caminhar em lugares apertados e subir escadas como se estivesse caminhando em uma parede, não recomendo que faça esta visita. Foi uma das piores experiências da minha vida, o caminho é muito estreito, você precisa caminhar torto e em círculos. Não costumo me abalar com este tipo de aventura, mas realmente não gostei da experiência. Mas essa é só minha opinião pessoal Se você foi e teve uma experiência diferente, comente aqui!

— — —

  • Túmulo do Papa João Paulo II

Quando visitamos o Vaticano pela primeira vez em 2010, o túmulo do Papa João Paulo II estava localizado no primeiro nível dos subterrâneos da Basílica (as Grutas, onde também estão enterrados reis e rainhas), onde também estão enterrados os outros Papas. Foi por acaso que estivemos lá no dia em que marcava os 5 anos de falecimento deste que foi um dos mais carismáticos chefes supremos da Igreja Católica.

A Pietá de Michelangelo, que fica ao lado do túmulo do Papa João Paulo II!

Em 2011 seus restos mortais foram transferidos para uma das Capelas da Basílica de São Pedro, e hoje é um dos pontos de maior concentração de turistas dentro do templo religioso. Para se localizar: fica ao lado da Pietá de Michelangelo.

— — —

Para ver os posts anteriores sobre a Itália, acesse aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.