Receitas, dicas culinárias, restaurantes e viagens. Aprecie sem moderação!

França, Viagem

Paris atacada por terroristas

Torre Eiffel neste domingo

Torre Eiffel neste domingo.

Como é de conhecimento de todos, Paris foi novamente atacada por terroristas islâmicos nesta última sexta-feira, dia 13 de novembro de 2015. Através de ataques suicidas e fuzilamentos com rifles AK-47, um grupo de ao menos sete militantes radicais afiliados ao grupo Estado Islâmico matou cerca de 130 pessoas e feriu quase 400, deixando várias em estado grave. Foi o segundo atentado na cidade em um ano e o maior ato de violência cometido em solo francês desde a Segunda Guerra Mundial.

Os ataques ocorreram de forma coordenada em diversas partes da cidade, com os focos principais sendo o estádio Stade de France, ao norte de Paris, onde ocorria um jogo de futebol amistoso entre França e Alemanha que contava com a presença do presidente francês François Hollande, e o 10º e 11º distritos, reduto boêmio no nordeste da cidade muito frequentado pela juventude local.

A maior parte das mortes ocorreu no popular e histórico teatro Bataclan, no 11º, durante um concerto da banda de rock americana Eagles of Death Metal. Terroristas invadiram o local e fuzilaram o público a esmo, resultando na morte de cerca de 100 pessoas, em sua grande maioria jovens de 20 a 30 anos. Os terroristas que invadiram o teatro se explodiram quando a polícia chegou.

Após os atentados, o presidente François Hollande fechou as fronteiras da França, o que não ocorria desde a guerra da Argélia dos anos 50 e 60. Declarou estado de emergência, que confere poderes excepcionais de investigação às autoridades, e luto nacional de três dias. Bancos, museus, teatros, escolas, cinemas, parques temáticos (como a Disneyland Paris, por exemplo), casas de espetáculos (incluindo o Cabaré Lido) e vários prédios públicos estão temporariamente fechados, com previsão de reabrirem gradualmente no decorrer desta semana. Uma caçada a um possível oitavo terrorista foi lançada e permanece em curso, além de investigações e prisões na França e na Bélgica.

No sábado, a população de Paris foi instruída a permanecer em casa, mas algumas pessoas já se arriscaram a sair para prestar homenagem às vítimas nos locais onde ocorreram as tragédias e em outros lugares simbólicos. No domingo, muita gente resolveu sair às ruas apesar das instruções. Lojas e restaurantes abriram, famílias foram aos parques e turistas voltaram a circular pela cidade. À noite, muitos foram até a Place de la République, perto de onde ocorreram os ataques do 10º e 11º distritos, para prestar homenagem aos que perderam suas vidas. Apesar de todos estarem com os nervos à flor da pele, como evidenciado pelo susto causado por alarmes falsos tanto ali na praça quanto no bairro do Marais, imperava também o desejo de resistir e mostrar que não iriam se curvar aos terroristas.

Sábado fiquei em casa como instruído, mas domingo resolvi sair. Para minha surpresa positiva, muitas pessoas tiveram a mesma ideia. O Parc Monceau, ao lado de casa, estava lotado. Famílias e pessoas de todas as idades aproveitavam o dia de sol (coisa rara por aqui) para passear no parque. Vendo isso, me inspirei a ir até a Champs Elysées. Também lotada, tanto de turistas quanto locais. Continuei o percurso até a ponte Alexandre III e segui até a Torre Eiffel e o Trocadéro. A única diferença visível deste domingo para qualquer outro era uma presença maior da polícia nas ruas. Hoje, segunda feira, o dia já assume maiores ares de normalidade, apesar de alguns serviços ainda estarem fechados e da tensão no ar ainda ser palpável. A Place de la République continua cheia de gente.

Champs Elysées no domingo pós-atentados

Avenida Champs-Elysées cheia de turistas e locais na tarde deste domingo.

Policiamento ostensivo em Paris

Policiais, antes raramente vistos, agora começam a aparecer por toda a cidade.

Esplanade du Trocadéro, em frente à Torre Eiffel

Turistas e vendedores de bugigangas na sacada da Esplanade du Trocadéro, em frente à Torre Eiffel.

Algumas pessoas me perguntam se devem cancelar suas viagens para cá. É difícil responder isso objetivamente. É verdade que a França, e Paris em especial, permanece um alvo de terroristas e que um único ataque faz um estrago gigantesco. Mesmo assim, ainda acredito que aqui é mais seguro que a maior parte das cidades brasileiras. Ataques terroristas permanecem casos excepcionais e a violência cotidiana que estamos acostumados no Brasil aqui é praticamente inexistente. Ao mesmo tempo, o ambiente na cidade no momento não é exatamente agradável, apesar de todos continuarem a tocar suas vidas. Entretanto, como normalmente acontece, essa situação deve se atenuar aos poucos e eventualmente uma sensação de normalidade deve voltar a prevalecer.

De qualquer forma, ao decidir vir para cá é bom ter em mente que a França está em guerra e é um alvo. Assim, é útil tomar algumas precauções, como sempre que possível evitar locais de grande aglomeração de pessoas, ter sempre consigo documentos de identificação e uma quantidade de dinheiro vivo guardada no corpo de forma segura, ter junto a si endereço e telefone do consulado brasileiro, ficar sempre atento a pacotes suspeitos e dar preferência a transporte externo ao invés de metrô e RER (não é um problema grande, pois há várias alternativas de transporte como ônibus, taxis, Uber, bicicletas ou simplesmente caminhar, já que a cidade não é muito grande).

Além disso, ao presenciar uma situação suspeita ou de risco, entre em contato com as autoridades. Tendo isso em mente, não é preciso exagerar nas precauções, nem se tornar paranoico. O policiamento foi aumentado substancialmente e as chances de de fato acontecer algo são mínimas. Assim, minha recomendação principal é aproveitar a cidade e tudo o que ela tem a oferecer.

Para encerrar, algumas informações úteis:

Consulado-geral do Brasil em Paris

  • Endereço: 65, av Franklin D Roosevelt, 75008
  • Aberto de segunda a sexta, das 9h às 16h
  • Telefone de plantão para emergências: +33 6 80 12 32 34
  • Site: http://cgparis.itamaraty.gov.br/

Telefones de emergência

  • Auxílio médico/SAMU: 15
  • Polícia: 17
  • Bombeiros: 18
  • SOS Europeu (para qualquer emergência em qualquer país da Europa; recomendável para quem liga com um telefone celular): 112
  • Taxis Bleus: +33 1 49 36 10 10

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.