Receitas, dicas culinárias, restaurantes e viagens. Aprecie sem moderação!

Israel, Viagem

Jerusalém, Terra Santa e capital de Israel

Muito além da visita por motivos religiosos, Jerusalém é uma cidade viva e cheia de atrativos, para encantar qualquer visitante.

Apesar de termos sido criados em famílias católicas, nosso desejo de visitar Jerusalém sempre foi muito além da questão religiosa. A capital de Israel, além de ser importantíssima para judeus e cristãos, tem grande importância histórica.

Mais do que uma viagem de passeio, visitar Jerusalém é essencial para quem quer entender um pouco da grande importância espiritual dessa cidade. Lugar cuja relevância religiosa chega a ser fascinante, e que depois que conheci, passei a considerar intrigante.

Pois é até um pouco complexo entender como visões de mundo tão diferentes, coabitam pelas ruelas dessa cidade milenar. Claro que nem sempre foi tão pacífico e simples, e nem cabe a mim tentar explicar a história de um lugar cujo até o ar parece diferente.

Estou aqui para compartilhar a experiência inigualável que tive de conhecer Jerusalém. De ver dezenas de brasileiros cristãos realizando a Via Crucis. De repensar os passos derradeiros de Jesus e que hoje contam com muçulmanos distribuindo exemplares do Alcorão (até para padres católicos, em todos os idiomas, na frente da segunda estação da Via Crucis, se não estou enganada).

Para se ter ideia da atmosfera extremamente plural dessa cidade: vimos jovens militares israelenses tirando fotos divertidas, uniformizadas, no pátio em frente ao Muro das Lamentações. Vimos meninos judeus jogando futebol vestindo talit e kipá. E vimos o dia amanhecer circulando pelas ruas vazias de uma Jerusalém que ainda dormia, certamente a imagem mais marcante que tenho deste lugar.

Uma cidade muito vasta de coisas para ver e fazer, e minhas dicas você confere abaixo em lista.

O que fazer em Jerusalém

O que ver em Jerusalém depende muito dos seus interesses, seja sobre visitar locais históricos ou até explorar a gastronomia local. Mas sobre bebida e comida farei um post separado, este lista apenas as principais atrações turísticas/históricas/religiosas, com as minhas observações para uma experiência incrível!

1 – A Cidade Velha de Jerusalém

A Cidade Velha de Jerusalém fica dentro das antigas muralhas, e alguns dos principais pontos de visitação ficam dentro dela. Ela possui portões (ao todo, 8) que servem de referência para sua localização e circulação. Dentro dela também está boa parte do comércio destinado aos turistas, o Suq (mercado árabe), igrejas (como a Basílica do Santo Sepulcro), restaurantes…

Uma mistura incrível e efervescente! Como comentei acima, a experiência mais fascinante que recomendo muito: visitar a Old City quando tudo ainda estiver fechado. Além de encontrar temperatura mais agradável, perceberá o contraste incrível ao circular depois, quando tudo estiver aberto e movimentado.

Alguns locais não permitem a circulação de turistas por serem reservados para o Islã (como a Mesquita Al-Aqsa) e no sábado (se não me engano), nem seus jardins estão abertos para os não muçulmanos. Militares israelenses controlam os acessos a estes lugares. E para acessar o pátio que dá acesso ao Muro das Lamentações, é preciso passar pela segurança e revista de bolsas e etc.

Vários outros pontos de interesse para qualquer visitante de Jerusalém ficam fora dos muros da Cidade Velha, mas facilmente acessível a pé. Mas caso esteja cansado (ou sofrendo muito com o calor!), pode pegar um táxi em um dos portões de saída. A Old City é dividida em bairros: cristão, muçulmano, judeu e armênio.

— — —

2 – A Via Crucis

A grande maioria dos visitantes de Jerusalém são peregrinos que visitam a cidade para seguir os passos derradeiros de Jesus. O trecho (Via Dolorosa) é curto, as estações são próximas, e o mais difícil atualmente é os milhares de turistas e as diversas lojas de souvenirs.

Não é permitida a circulação de carros (são ruas de pedestres) mas fornecedores das lojas e restaurantes tem acesso permitido – e em uma das estações ficamos mais de 20 min. esperando um pequeno caminhão subir as escadarias.

Ao final da Via Crucis está a Basílica do Santo Sepulcro, onde acredita-se que Jesus tenha sido enterrado. Mesmo que você não seja cristão, recomendo muito a visita a este que é um dos locais sagrados para diversas religiões. Mas do que a construção em si, ver a fé e devoção de quem visita este lugar por si só é comovente.

Recomendo a visita cedo ao local, para evitar filas para entrar na Basílica. Seguem os horários de funcionamento: abril a setembro – diariamente das 5h às 20h; e de outubro a março, diariamente das 5h às 19h.

— — —

3 – O Muro das Lamentações

Nós não entramos para rezar, ficamos apenas observando na parte de cima do pátio. São dois lados, um para homens e outro para mulheres, e para chegar ao muro é preciso seguir as regras que são muito bem indicadas. Nesse local também tem banheiros e água fresca (e potável) disponível para todos.

A construção formada por enormes blocos de pedra do Muro das Lamentações são o local de oração mais sagrado do judaísmo e um importante local de culto. Os judeus acreditam que o muro já apoiou o Segundo Templo, destruído pelos romanos em 70 d.C. Nas proximidades, o Parque Arqueológico de Jerusalém e o Davidson Center oferecem uma visão fascinante da história do local.

É proibido a fotografar na praça do Muro das Lamentações, pois o local é restrito para oração. Mas você pode tirar fotografias das plataformas de visualização e nos becos entre a praça.

— — —

4 – Caminhada nas muralhas da Antiga Cidade

A caminhada nas Muralhas da Cidade Antiga de Jerusalém tem duas rotas: Norte e Sul. Elas tem entradas diferentes e o ingresso pode ser adquirido em uma loja oficial de turismo do Governo de Israel, logo na entrada do Portão Jaffa (rota Norte).

No folder, tudo que pode ser visto na caminhada nas Muralhas, com horários de funcionamento. As funcionam em dias e horários diferentes; a parte próxima do Temple Mount não está incluída na caminhada. Para conferir todas as informações, acesse: https://www.pami.co.il/he/

— — —

5 – Além das Muralhas: Monte Zion e Monte das Oliveiras

Outros importantes pontos de interesse, fora das Muralhas estão no Monte Zion e no Monte das Oliveiras. No primeiro, a Tumba de Davi e a Dormition Abbey, ambos acessíveis através do Zion Gate, entre outras capelas e pontos históricos.

Já no Monte das Oliveiras estão a Tumba de Maria, a Gruta dos Apóstolos, o Jardim e Basílica da Agonia (Gethsemane), a Igreja de Santa Maria Madalena, o Jardim das Oliveiras e as ruínas de uma igreja do período dos Cruzados. São diversos pontos de interesse a partir de curtas caminhadas, com algumas escadarias e elevações.

— — —

6 – Basílica de Santa Ana e Pool of Bethesda

Um importante sítio arqueológico de Jerusalém e território francês, este vale é caracterizado por ser propício ao recolhimento da água da chuva – desde 37 a.C. As ruínas das cisternas e piscinas podem ser visitadas, e acredita-se que neste local tenha acontecido um dos milagres de Jesus.

O local representa a história da cidade em miniatura – elementos do período de Herodes, ruínas de habitações do período romano, ruínas de um mosteiro do período medieval, pilares da basílica do período bizantino…

Além de um sítio arqueológico repleto de relevância histórica, um espaço para devoção. A Basílica de Santa Ana, mãe de Maria foi construída no lugar onde presume-se que viviam os avós de Jesus, Ana e Joaquim.

— — —

Não entrei em detalhes sobre os demais pontos de interesse, pois não visitei os mesmos. O acesso ao Jardim do Temple Mount estava aberto ao público em apenas um dos dias em que estivemos lá, era um domingo e a fila era monstruosa, além do calor extremo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.